29 janeiro, 2007

HÁ HÁ

huhauahuahuahauhauhauha
Seria trágico se não fosse cômico... debaixo de uma chuva sem fim que assola Brasília, volto a postar sobre uma notícia que vi e que de certa forma depertou meu ódio no coração ha tanto adormecido.

Idoso morre sufocado por prótese dentária

Eríssimo Borba Duarte estava com dificuldades para respirar.
Ele foi levado para hospital, em Campo Grande, mas não resistiu.
Na íntegra

Será que esse pobre velhinho não foi ensinado a colocar a bendita dentadura no copinho antes de dormir?!?!?!?! Agora eu entendo bem qual a real necessidade do copo. hahahahahahaha O que me fez lembrar um episódio da família Vaz de Caminha...
Certa vez o patriarca da família Vaz de Caminha, mais conhecido como "Véi", hoje também conhecido pelo inconfundível "Áaaai" (isso inclusive dá outra história), amanheceu o dia resmungando (como lhe era de costume), reclamando e praguejando (o que não era novidade pra ninguém) exatamento como o Zé Buscapé, grugrgaugrugraugurgaugraugruguagrua, e simultaneamente com a praguejação percebia-se que ele estava inquieto e vasculhando todo o quarto, o banheiro, enfim... a casa toda... nervoso (o que na verdade refletia seu estado natural), já deixando as pessoas à volta irritadas, porém curiosas, com aquela agonia e vucu vucu pela casa, quando a doce e tranquila matriarca pergunta com uma irritação e agonia que não lhe é muito característica: Oooohhh Véi antipático!!! O que é que tu tanto procura?!?!?!?!?!
Niqui ele responde em meios aos rabujos: grugaugruugruaugrugrgrgrgrgrg Perdi! Perdi! Que p*!
- Perdeu o que?
- A porcaria da dentadura!!!! Caiu! Caiu! Caiu da minha boca no meio da noite e agora não acho!!!! grahgurhauhgurhauhgurhauhaughurhuahga
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk vai véi miserento... nisso que dá chegar em casa bêbobosta... esqueceu de colocar a perereca no copo agora ta aí desdentado! (essas foram as palavras da adorável matriarca - sem tirar nem por - e saiu a ajudar na procura)
Enquanto isso... eu... ja acostumada com esse tipo de impropério logo pela manhã, me encaminho ao banheiro para o banho matinal rumo a universidade, quando de repente (ti ti ti ti ti ti ti - trilha sonora do psicose) me deparo com a dita cuja... no vazo... aff... no vazo sanitário... isso mesmo caros amigos.... que nojo... eca!!!! e a dúvida imperava: dar ou não dar descarga?!?!?!!??! eis que assolada por um espírito de bondade (mas nem tanto) resolvi chamar alguem e avisar:
- vóóóóóóóóóó, achei!!!!!!
E la foi ela... com uma peneirinha.... catar o que restou da dita cuja.... o pior é que o véi não queria nem deixar dar uma escaldada, ja queria colocar direto na boca porque tinha pressa em ir pro bar. É possííverrrrr um trem desse?!?!?!?!?

P: Como ela foi parar la??????
R: Era sabido que após chegar do boteco, tarde da noite, altamente embriagado, o tal que já não era mais nenhum garotinho, tinha por hábito se direcionar à "casa de banho" e despejar tudo o que lhe fazia mal... numa dessas a chapa deve ter ido junto. Blehhhhh!!!!
P: A dita foi avistada antes ou depois de usar o vazo?????
R: Não lembro.

Um comentário:

Luiz Cláudio disse...

ba2007
Silvinha, o texto foi publicado em sua homenagem, por ser uma das assíduas leitoras do blog; só por isso. Só por isso. E, claro, porque gosto de você, tanto quanto gosto do cachorro do Nelson.